domingo, 12 de julho de 2015

Primeiras impressões sobre a mudança na alimentação

Hoje já faz cerca de 1 semana que mudei muita coisa na alimentação aqui em casa. Foi uma reviravolta, ao menos pra mim, cozinheira principal por aqui.

Há algum tempo lia e ouvia sobre o mal que faz pro nosso organismo algumas coisas que comemos diariamente, a margarina, por exemplo. Também sempre procurei proporcionar uma alimentação saudável, principalmente pra minha filha, em fase de crescimento.

Mas em quase tudo que li, só falava do que fazia mal, do que não podia, mas poucas orientações de como fazer pra substituir, ou mesmo depoimentos de pessoas "de verdade", como faziam no seu dia a dia. Pois a teoria é linda e maravilhosa, mas na hora do "vamos ver"...


Então, procurando uma receita de iogurte caseiro (que já fazia em casa, mas às vezes não ficava bom) cheguei no site da Pat. Estava recheado de receitas e dicas de alimentação saudável. Mais que isso: alimentação natural! E esse foi o clique que me deu, pensei: é o que estou procurando, é o que faz sentido pra mim. Alimentar-se bem é muito mais que ter produtos light, diet ou integrais na cozinha, é muito mais que diminuir gorduras, doces e farináceos. É isso que a Pat ensina e melhor: pratica todos os dias e divide suas experiências. Vale a pena conhecer!

Legal, mas a mudança é muito grande, mesmo pra quem já havia cortado alimentos prontos, congelados, enlatados e pães industrializados. Então estou fazendo aos poucos, em etapas.

O que já fiz 


Essa primeira semana mudou muito minha vida de "cozinheira principal" por conta do microondas. Dias atrás tinha repetido a alguém: sem o fogão eu fico, mas não sem o microondas! Mas... depois que li sobre o tanto do mal que ele faz - uma lista grande! - me deu um chacoalhão e aboli o danado de vez! Pus a cabeça pra funcionar na hora de esquentar a comida, relembrei os tempos de infância, e quer saber? Não foi tão ruim assim como pensei. A comida está bem mais saborosa, esquento numa panelinha ou no vapor ou no forno, dependendo do que é. E pronto, livre de combinações químicas estranhas no meu corpo.

A segunda mudança foi o corte da margarina e óleo de milho/soja/canola. No lugar? Por enquanto, só a manteiga para cozinhar, azeite para saladas ou no final do preparo. Resultado: comida mais saborosa, gordura natural.

Com parte do iogurte natural, fiz o cream cheese e guardei o soro pra fazer yakult, na esperança que minha filha consuma os lactobacilos. Me empolguei e deixei a farinha integral misturada ao iogurte da noite pro dia, para fazer a fermentação. E depois virou um bolo super fofinho, delícia, 100% integral, mas não pesado. Adorei!

As primeiras impressões

 

Engraçado que agora fico satisfeita, sem fome, durante mais tempo. Estou comendo a mesma quantidade de sempre, nas refeições principais, mas não tenho mais aquela fominha no meio da tarde, à noite... Sabe aquela vontade de comer besteira? Diminuiu muito. Deve ser pelos alimentos terem mais consistência, com gorduras (necessárias), também porque nestes dias reduzi radicalmente o consumo de farinha branca (sou super-hiper fã de pão, comia bastante antigamente, tempos pra cá diminuí a quantidade mas ainda comia 2 ou 3 por dia).

E estou adorando ficar na cozinha!

Próximas ações

 

Estou quase fazendo o pão totalmente integral, e também um pão de uma receita que é quase uma bolacha. Quero uma alternativa à bolachinha água e sal com chazinho! rs 

Logo que criar coragem e tiver como guardar no freezer, farei o caldo de carne caseiro, de novo de olho na saúde da minha filha. Quero acrescentá-lo ao feijão, às carnes cozidas, aos legumes.

Quero encontrar alguma fonte de alimentos de época, pra comprar sempre no tempo certo: mais garantia de qualidade e preço melhor. 


Daqui uns meses...

 

Quero acabar com o leite de caixinha por aqui, usar só o de saquinho/garrafinha e também diminuir seu consumo substituindo pelo iogurte.

Tentar o arroz integral, que minha mãe já faz sempre, mas nunca me animei. Não só pelo sabor, mas pela demora em fazer.

Comprar orgânicos sempre que possível, encontrar fornecedores mais em conta pois no mercado é um absurdo, exploração.

Comprar coco, natural, pra fazer leite de coco, farinha de coco e talvez extrair a gordura de coco (que costuma ser cara).

Arranjar umas panelas melhores, pois tenho algumas que são uó!

3 comentários:

  1. Bom dia Má,
    Gostei muito de seu post, também aderi há muito tempo à alimentação saudável, primeiro por escolha e depois por obrigação, pois descobri ser uma cardiopata congênita, felizmente segundo meu médico "muito saudável".
    Espero o nosso blog poder auxiliá-la.
    Beijo,
    Vânia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vânia,
      Seu blog já ajudou muito!
      Fiz algumas receitas e gostei, já incorporamos no cardápio da família.
      Beijão!

      Excluir
    2. Não acredito, consegui responder o comentário! rsrs
      Esse blogger é muito biruta, ora funciona bem, ora ficamos no vácuo.. tsc, tsc
      Desculpa a demora, Vânia!

      Excluir